segunda-feira, março 31, 2008

Tomé, o incrédulo

mundos urbanos cruéis e duros

O acto de um ser humano provocar dor a outro ser humano de propósito ainda é algo que me surpreende hoje em dia, quase 27 anos depois de ter visto a luz do sol pela primeira vez. Se bater noutra pessoa ou matá-la, muitas vezes para não roubar nada ou meia dúzia de euros é desnecessário e cruel, roubar ou estragar o que é dos outros também consegue ser igualmente mesquinho e triste. Ainda para mais quando se ganha pouco ou mesmo nada com isso... só para se deixar marca no dia, semana, mês ano ou mesmo vida de outra pessoa. Essa marca fica e custa passar. É a incompreensão que mais dói. A falta de necessidade de se entrar por ali, partir, estragar, fazer mossa. É ainda um acto cobarde e ainda mais parvo quando não há nada de nada para roubar.

Foi preciso para Lisboa para sentir essa injustiça ignóbil e revoltante na pele. Foram precisos seis anos a viver na capital do país para experienciar isso mesmo de forma directa. Roubaram-me uma scooter nova em 2005. Nunca apareceu. A polícia nunca disse nada a propósito da queixa. Dúvido muito que tenham, sequer, tentado procurar. Foi uma perda que me marcou. Que evitou que me metesse noutra tão cedo. Que me revoltou profundamente contra alguém que não conheço, contra um modo de vida que não compreendo de maneira nenhuma.

Desde então já senti outros efeitos criminosos. Foram desagradáveis e irritantes só não foram mais chatos porque aconteceram em viaturas que não eram minhas. Partiram o vidro de uma porta lateral de um carro que estava a testar numa madrugada em 2007, para roubarem o rádio. Agradeço a todos os santos, se é que existem, pelos sacanas não se terem lembrado (ou não terem tido tempo) para irem à bagageira, onde estava a minha mala cheia de objectos pessoais e ainda o meu computador portátil, onde estava grande parte da minha vida. Acatei o aviso e aprendi a lição. Desde então nunca mais deixei nada de valioso num carro, nem por uma hora sequer. É um alvo fácil para os nojentos que habitam o planeta. Recentemente partiram um vidro pequeno de mais um carro que não era meu junto ao Colombo, enquanto fui lá com a minha irmã (umas duas horas longe do carro). Tentaram espreitar a ver se havia alguma coisa na bagageira... mas não havia nada. Não roubaram absolutamente nada.
Hoje de madrugada foi uma amiga minha que chegou ao carro e deparou-se com o seu Renault Clio já antigo vítima de tentativa de arrombamento da porta. Provavelmente por pé de cabra. Agora não consegue abrir a porta por fora e tem a porta danificada. O que roubaram? Absolutamente nada, até porque não havia nada para roubar.

Mas qual é a motivação de escumalha que faz isto? O que ganha? Porquê perturbar tanto a vida de quem não se conhece?

segunda-feira, março 24, 2008

rotineiro

custa voltar à vida normal. ao stress diário. à rotina efervescente e desmoralizante.

e que tal mudar de rotina?

domingo, março 23, 2008

woman on the way to men

conheço muitos homens que gostam de deitar tarde e acordar tarde. e muitas mulheres que gostam de deitar cedo e levantar cedo. não sei se é um padrão, mas parece haver um domínio destas características aliado a cada um dos sexos.
há ainda uma tendência para as mulheres serem mais picuinhas com a forma como se fazem determinadas coisas, desde o sexo, onde tem de haver um condição astrológica, meteorológica e psicológica favorável para essa prática, passando pelas panquecas, que só podem ser feitas da maneira que vem na receita antiga e não há mais nenhum modo possível, ou pelas limpezas, onde não basta passar o pano pelo móvel, é preciso tirar tudo de cima dele e esfregar como se ele não fosse voltasse a ficar sujo nunca mais.

girl, you'll be a woman soon

perspective of life

a linha entre a sanidade mental e a demência é tão ténue quanto fácil de transpor, quando se chega a determinados limites. a mulher que matou o marido com um tiro, o marido que matou a mulher com uma faca de cozinha. tudo são casos que pensamos impossíveis no nosso lar, na nossa família. mas com mais um nervo ou menos um nervo podem, um dia, numa hora, num minuto de tensão incrível acontecer.
olhamos para a nossa vida como um caminho, repleto de círculos onde temos pessoas diferentes à nossa volta. são indíviduos que modificam para onde vamos e como vivemos. isso pode ser a melhor benesse do mundo, ou a pior. tudo depende da perspectiva. podemos encarar palavras de uma forma raivosa ou de forma descontraída e até positiva. as mesmas palavras podem significar o mundo ou não significar nada. a perspectiva está na nossa cabeça. e a forma como reagimos também. a perspectiva é a nossa e a de mais ninguém. a pessoa ao nosso lado pode nunca saber porque reagimos assim. certo é que a razão pode muito bem não ser nossa. até porque podemos ter a perspectiva totalmente errada.

long live the right perspective of the aspects of life.

terça-feira, março 04, 2008

sábado, março 01, 2008

floresta na cidade

Correr pela mata, mesmo dentro da cidade, é das sensações mais libertadoras que se podem sentir na grande metrópole. Privilégios mais perto do que possamos pensar.